Padre √© afastado de igreja após oferecer R$ 2 mil para fazer sexo com adolescente

Al√©m de tentar comprar o menor, o p√°roco teria passado a mão nas partes √≠ntimas do rapaz

Por Redação em 08/07/2024 às 11:48:00
O padre Jucelândio celebrando missa   (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

O padre Jucelândio celebrando missa   (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

O padre Jucelândio José Do Nascimento, da Paróquia Nossa Senhora Aparecida das Moreninhas, foi afastado das funções a frente da igreja após ser preso em flagrante por passar as mãos nas partes íntimas de um adolescente, de 16 anos, e oferecer R$ 2 mil para transar com ele.

Conforme a nota emitida pela Arquidiocese de Campo Grande, o afastamento aconteceu para que o caso fosse apurado pelas autoridades policiais e também pelo Tribunal Eclesi√°stico e a Comissão de Proteção de Vulner√°veis da Província Eclesi√°stica da Capital.

"Durante este período de afastamento e no aguardo dos resultados das investigações, ser√° nomeado um Administrador Paroquial para a j√° mencionada Paróquia", diz a nota assinada pelo Arcebispo Metropolitano, Dom Dimas Lara Barbosa.

O caso


A Força T√°tica da Polícia Militar foi acionada pelo pai do menino. O homem contou que seu filho teria saído de casa sem autorização, para ir até a casa do "suposto" padre, localizada na Rua Serra da Canastra.

Ao chegar no endereço indicado, os policiais encontraram o portão do imóvel entre aberto. Ao chamar pelo dono da resid√™ncia, foram atendidos pelo morador e localizaram o menor escondido dentro de um banheiro.

Para as autoridades, o padre contou que o menino foi até sua casa para falar sobre os assuntos de um acampamento que a paróquia faria. No entanto, o menor contou que o p√°roco ofereceu R$ 2 mil para ter relações sexuais com ele.

Em continuação, teria ainda tentado passar a mão em suas partes íntimas. Assustado com a situação, correu e se trancou em um dos banheiros do imóvel, ligando para seu pai e contanto o que estava acontecendo.

O suspeito negou ter importunado sexualmente o menor. Ainda assim, ele foi levado para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunit√°rio), onde o caso foi registrado como importunação sexual.

Comunicar erro

Coment√°rios